O líder do Partido Popular espanhol e presidente do Governo em exercício reclamou, este domingo, “o direito de governar para todos os espanhóis”. No discurso de vitória das eleições deste domingo, Mariano Rajoy anunciou que, já esta segunda-feira, iniciará as negociações para formar Governo, uma vez que os resultados não lhe dão a desejada maioria. Daí a ambiguidade de sentimentos quando afirma que “é o discurso mais difícil da minha vida”.

A bandeira do PP é a mesma da Espanha. Vocês ganharam as eleições, porque acreditaram na vitória. Tenho de agradecer a todos vós. Foi duro e difícil, mas ganhámos a batalha sem prejudicar ninguém, por Espanha e pelos interesses gerais dos espanhóis.”

Mariano Rajoy celebrou vitória na Calle Génova, para onde acorreu um grande número de apoiantes. Mas a noite eleitoral espanhola ficou marcada por um incidente no comício da vitória do Partido Popular. Quando Mariano Rajoy se preparava para discursar, um grupo de pessoas apareceu com uma tarja e fumos e foram imediatamente neutralizados pela polícia. O momento foi testemunhado pelos enviados da TVI.

Antes do discurso na Calle Génova, Mariano Rajoy já tinha anunciado a vitória no Twitter e agradecido aos apoiantes:

Antes do vencedor da noite, também Pablo Iglesias tinha reconhecido a derrota. Pedro Sánchez tinha igualmente discursado e reclamado para o PSOE o “único projeto para Espanha”.

O PP de Mariano Rajoy voltou a ganhar as eleições em Espanha e melhorou mesmo os resultados em relação às eleições de dezembro (de 123 deputados, passou para 137. Em dezembro, conseguiu 28,71% dos votos e agora subiu para 33,03%). É a terceira vez que Mariano Rajoy vence escrutínios em Espanha: conseguiu vencer um por maioria absoluta, mas quer em dezembro, quer este domingo, fica longe dos 176 deputados necessários para formar Governo com apoio maioritário no Parlamento.

Numa altura em que faltam contabilizar 0,01% dos votos, ou seja, a contagem está praticamente encerrada, o PP está com 33,03% dos votos e 137 assentos parlamentares previstos. O PSOE firma o segundo lugar, com a previsão de chegar aos 85 deputados, o Podemos de Pablo Iglesias deverá conquistar 71 deputados e o Ciudadanos fica em quarto lugar, com 32 deputados.