O Brasil vai a votos no próximo domingo, para escolher o próximo Presidente da República, os novos deputados federais e estaduais, governadores e vice-governadores. O mundo estará de olhos postos no futuro do Palácio do Planalto, para saber se Dilma Rousseff se mantem no poder que conquistou em 2010 ou se será sucedida por Marina Silva. As últimas sondagens apontam para uma segunda volta disputada entre as duas, com percentagens de intenções de voto que rondam os 40 por cento para Dilma e os 25 por cento para Marina.

Mas Aécio Neves não se considera ainda fora da corrida. As sondagens atribuem-lhe percentagens de intenções de voto muito próximas dos 20 por cento.

Dilma Rousseff, sucessora de Lula da Silva e atual Presidente da República, conhecida como uma mulher determinada, autoconfiante e racional. Autodenomina-se de «Presidenta». Os seus quatro anos em Brasília ficam marcados pela demissão de seis ministros em menos de um ano.

Iniciou-se na política ainda adolescente, foi perseguida pela ditadura militar, presa e torturada. Dilma é também conhecida pela importância que dá aos detalhes e aos pormenores. De acordo com o jornal «Folha de São Paulo», a Presidente gosta de controlar tudo. Até os planos de voo do avião presidencial.

Já Marina Silva assumiu a candidatura por acaso, depois da morte de Eduardo Campos, em agosto, num acidente de avião. Era ele o candidato à Presidência da República pelo PSB. Marina terá hesitado, mas terá sido convencida por camaradas de partido e mesmo por familiares de Eduardo Campos.

Conhecida por ser determinada, a mulher que até aos 16 anos não sabia ler nem escrever licenciou-se em apenas 10 anos. Defensora acérrima das questões ambientais, terá tido alguns desaguisados com Dilma Rousseff quando esta era ministra de Minas e Energias e ela também fazia parte do ministério. Agora, apesar de ter vindo a cair a pique nas sondagens, é ainda apontada como a melhor posicionada para ir a uma segunda volta com a candidata do Partido dos Trabalhadores.

Aécio Neves é neto e filho de políticos. O avô Tancredo Neves chegou a ser eleito Presidente da República por voto indireto de um Colégio Eleitoral, mas adoeceu gravemente e morreu na véspera de tomar posse. O pai Aécio Cunha foi deputado federal pelo Estado de Minas Gerais.

Aécio Neves foi levado para a política pelas mãos de Tancredo Neves, de quem foi secretário pessoal e a quem acompanhou em várias visitas ao estrangeiro.

Um dos três candidatos retratados nos perfis que lhe apresentamos abaixo deverá ser o próximo ocupante do Palácio Planalto, em Brasília. Conheça melhor cada um deles e espreite os restantes oito que não têm hipóteses de lá chegar.