A Liga Nacional para a Democracia, o maior partido da oposição na Birmânia, liderado por Aung San Suu Kyi, reivindicou hoje vitória nas eleições legislativas de domingo, com a conquista de “mais de 70% dos assentos”.

“Estamos a ganhar com mais de 70% dos assentos em todo o país. Mas a comissão eleitoral ainda não confirmou oficialmente os resultados”, declarou o porta-voz do partido, Win Htein, à agência AFP.

A líder da oposição birmanesa, Aung San Suu Kyi, apelou hoje aos seus partidários para que tenham paciência, considerando ser “muito cedo” para celebrar vitória nas históricas eleições legislativas de domingo.

“É muito cedo” para felicitar os candidatos da Liga Nacional para a Democracia (LND), declarou Aung San Suu Kyi, a partir da varanda da sede do partido, em Rangum, afirmando que “as pessoas têm uma ideia do resultado mesmo que não o diga”.

Os Estados Unidos já se congratularam com as históricas eleições na Birmânia, mas alertaram para os “importantes impedimentos estruturais e sistémicos” a uma plena democracia no país, após décadas de regime militar.

O secretário de Estado norte-americano, John Kerry, afirmou que a massiva taxa de adesão (cerca de 80%), que pode catapultar o partido da líder da oposição birmanesa, Aung San Suu Kyi, para o poder, foi um “testamento da coragem e do sacrifício demonstrados pelo povo da Birmânia ao longo de muitas décadas”.

Contudo, “ainda que estas eleições constituam um importante passo em frente, reconhecemos que estão longe de serem perfeitas”, afirmou o chefe da diplomacia norte-americana, considerando que “restam importantes impedimentos estruturais e sistémicos para um governo totalmente civil e democrático”.