Edward Snowden admitiu que, se tivesse oportunidade de voltar atrás no tempo, voltaria a divulgar os milhares de documentos confidenciais que levaram ao seu asilo no ano passado.

O ex-funcionário da CIA falou ao público do festival «South by Southwest Interactive Festival (SXSW)», via teleconferência, e explicou que não está arrependido das suas ações, independentemente do que lhe possa vir a acontecer.

«Se faria tudo de novo? Sem dúvida. Apesar do que me possa vir a acontecer, isto era algo que eu tinha de fazer», disse o ex-analista informático. «Eu jurei apoiar e defender a Constituição e eu vi-a ser violada a um nível elevado».

Segundo a CNN, Snowden pediu aos presentes que ajudem a criar tecnologia que consiga proteger os utilizadores da internet, uma vez que, na sua opinião, a questão da espionagem exige, além de uma resposta política, uma resposta tecnológica.

Questionado pelo criador da World Wide Web (que completa 25 anos) sobre qual seriam as mudanças que Snowden faria no atual programa de espionagem do governo americano e da NSA, o ex-analista falou na necessidade de existirem representantes do público geral dentro destes programas para evitar abusos.

«Precisamos de supervisão do público. Precisamos de uma estratégia que deixe pessoas de confiança falarem por nós. Precisamos de um representante que vigie o Congresso, porque não estamos informados, não podemos consentir estas políticas», continuou.

Segundo o diretor do SXSW, Hugh Forrest, a iniciativa de participar na conferência partiu do próprio Snowden que «queria falar para uma audiência focada em tecnologia sobre a importância de construir a próxima geração de ferramentas que possam proteger a privacidade dos utilizadores.

Lembre-se que Edward Snowden está exilado provisoriamente, na Rússia, desde agosto de 2013, depois de ter divulgado milhares de documentos confidenciais, do governo dos EUA e NSA, que expuseram os programas de espionagem a cidadãos de todo o mundo através da web e chamadas telefónicas. Snowden enfrenta acusações de espionagem e furto de propriedade governamental.

O SXSW já tinha apresentado este sábado, também por teleconferência, o fundador da Wikileaks, Julian Assange, exilado na embaixada do Equador em Londres, e receberá esta segunda-feira, Glenn Greenwald, o jornalista que divulgou os documentos de Snowden.