Cientistas descobriram que os ratos são uma ameça direta à sobrevivência dos recifes de coral e, por isso, defendem a sua erradicação para salvar os recifes. A conclusão consta num estudo que foi realizado no Arquipélago de Chagos, no Oceano Índico.

O Arquipélago de Chagos ofereceu a este grupo de cientistas um laboratório natural de larga escala, em que foi possível entender de que forma os ratos prejudicam os recifes de coral. Apesar de as ilhas serem desabitadas, algumas abrigam ratos invasores que chegam através de navios e naufrágios.

Ora, o rato é um predador que se alimenta de ovos e crias de aves marinhas. O que acontece é que, ao dizimarem as populações de aves marinhas, os recifes de coral são afetados, uma vez que os excrementos dos pássaros são um dos fertilizantes naturais dos ecossistemas marinhos.

Por isso, os cientistas defendem que deviam ser tomadas medidas para erradicar os ratos destas ilhas.

As ilhas que não têm ratos estão cheias de pássaros, são barulhentas, o céu está cheio de aves e têm um cheiro próprio porque os excrementos que os pássaros libertam na ilha têm um cheiro intenso”, afirmou o investigador Nick Graham, da Universidade de Lancaster, que liderou este estudo, à BBC

-

 "Se for a uma ilha com ratos, não vai encontrar aves marinhas", acrescentou.

As aves marinhas voam centenas de quilómetros para alimentarem-se nos oceanos e quando regressam às ilhas depositam os seus excrementos, que são ricos nutrientes para os recifes de coral.

Descobrimos também que os peixes nos recifes adjacentes a ilhas com aves marinhas cresciam mais rapidamente e eram maiores do que os peixes em recifes próximos das ilhas infestadas de ratos", revelou Graham.

Os recifes de coral cobrem menos de 0,1% da área oceânica, mas abrigam cerca de um terço da biodiversidade dos oceanos. A diversidade de vida marinha, por sua vez, proporciona meios de subsistência para milhões de pessoas em todo o mundo.

Os recifes de coral estão em crise devido às alterações climáticas. Estamos a tentar de forma desesperada encontrar maneiras de melhorar a resiliência dos recifes de coral e permitir que consigam lidar com as alterações climáticas. Este é um dos exemplos mais claros até agora, onde a erradicação dos ratos levará a um aumento do número de aves marinhas e isso reforçará os recifes", conclui o professor Graham.