O presidente da Comissão Europeia admitiu hoje estarem em discussão novos apoios para a Ucrânia, mas rejeitou entrar numa competição «para ver quem paga mais» e advertiu que a «grande oferta» dos 28 é o acordo comercial rejeitado.

«Não concordamos com a ideia de que para um país aderir a um acordo tenhamos de pagar algo. A nossa grande oferta para a Ucrânia é o acordo ele mesmo, estamos a oferecer acesso ao maior mercado interno do mundo, é uma oferta bastante generosa, um acesso quase ilimitado desde o primeiro dia, enquanto eles [Ucrânia] abrirão as suas fronteiras num processo gradual de 15 anos», afirmou José Manuel Durão Barroso, referindo-se ao acordo comercial que foi «congelado» em novembro pelo Presidente ucraniano.

O chefe do executivo comunitário falava numa conferência de imprensa conjunta com o primeiro-ministro da Geórgia, em Bruxelas, depois de questionado pelos jornalistas sobre um eventual pacote de ajuda à Ucrânia.