Várias ameaças de bomba foram registadas esta segunda-feira no Japão, onde é raro acontecerem, durante a visita ao país do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

Não foi encontrada nenhuma prova da existência de explosivos nem feita qualquer detenção, refere a polícia japonesa.

Os alertas aconteceram em vários locais no oeste do Japão, longe de Tóquio, onde Trump está esta segunda-feira.

Na prefeitura de Shiga, uma empresa de transporte marítimo recebeu uma ameaça anónima de um homem “que afirmou ter colocado uma bomba no interior de um barco de recreio, programada para explodir uma hora mais tarde”, contou à agência AFP um porta-voz da polícia.

As autoridades realizaram buscas na embarcação, de onde 290 passageiros foram retirados, mais não encontraram qualquer engenho explosivo, e o homem que alertou para a sua presença também não foi encontrado.

Outra empresa de barcos em Hiroshima recebeu ameaças semelhantes, também por telefone.

A ligação marítima à ilha de Itsukushima, popular entre os turistas devido ao seu célebre templo xintoísta, inscrito na lista de património mundial da UNESCO, foi também temporariamente suspensa enquanto eram realizadas investigações.

Em Osaka, um grande armazém foi alvo de uma ameaça de bomba, que também se revelou falsa.

Em Kyoto, um operador de transporte ferroviário recebeu um alerta anónimo que anunciava que uma bomba iria explodir uma hora depois numa estação, segundo a agência de notícias Jiji. A estação em questão foi encerrada temporariamente, afetando cerca de oito mil passageiros.