Donald Trump afirmou que os Estados Unidos devem elaborar um perfil racial de muçulmanos como medida preventiva.  A proposta do magnata, feita numa entrevista ao programa "Face The Nation", da CBS, surge na sequência do atentado na discoteca de Orlando, que provocou 49 mortos.

 

Vejam Israel e vejam outros países que estão a ser bem-sucedidos”, sublinhou Trump no programa de televisão Face the Nation, da CBS.

Depois do tiroteio que Barack Obama classificou como um crime de ódio e um ataque terrorista, Donald Trump veio a público propor, novamente, a expulsão temporária de todos os muçulmanos que se encontrem nos Estados Unidos, defendendo que, com esta medida, o atentado não teria acontecido. O responsável pelo ataque em Orlando comprou a arma legalmente e é filho de imigrantes afegãos, nascido na mesma cidade de Trump.

Na mesma entrevista, o magnata republicano demonstrou também apoio à proposta de proibir a venda de armas aos cidadãos proibidos de viajar em transportes aéreos. Uma proposta que foi apoiada por Obama, Hillary Clinton e outros democratas.

 Temos de nos assegurar que as pessoas que são terroristas ou têm inclinações para o terrorismo não podem comprar armas de fogo”, disse, posteriormente, Trump à cadeia de televisão ABC.

Trump referiu ainda que pretende conversar com os lideres da Associação Nacional de Armas (NRA), uma entidade poderosa que defende o uso de armas e apoia a sua candidatura às Presidenciais.

Os líderes da associação mostraram-se abertos a conversações com o republicano, mas reafirmaram a sua posição contra novos controlos de uso de armas de fogo.

Em entrevista à ABC, o presidente da NRA, Wayne LaPierre, insistiu que as leis não vão conseguir manter as armas longe das pessoas perigosas.

As leis não os impediram em Boston, as leis não os impediram em São Bernardino, onde temos todo o tipo de controlo de posse de armas, e não os impediu em Paris, onde os cidadãos não podem ter as suas próprias armas”, acrescentou Wayne LaPierre em relação ao acesso dos criminosos às armas de fogo.

Chris Cox, responsável da associação, referiu que a NRA defende a inibição de porte de armas a todos os terroristas. Cox disse ainda que apoia o projeto de lei proposto pelos republicanos que atrasará a aquisição de armas por parte de cidadãos presentes na lista de suspeitos de terrorismo. O FBI terá 72 horas para investigar o cidadão e bloquear, ou não, essa venda. O cidadão poderá, posteriormente, recorrer dessa decisão, apresentando as devidas provas para desbloquear o acesso à compra de armas de fogo.

Os dois responsáveis da associação concordam que se as pessoas não devem levar armas para um clube noturno.

Ninguém pensa que as pessoas devem ir a um clube noturno, beber, com uma arma consigo,” diz Cox. “Esta questão não é controversa, trata-se de senso comum”.

LaPierre também não considera viável o porte de armas em clubes noturnos, mas disse que “cada americano deve começar a ter o seu plano de segurança, porque eles [os terroristas] estão a chegar”.

Um polícia armado que trabalhava como segurança na discoteca de Orlando quando o ataque se deu, utilizou a sua pistola para combater o terrorista. O atirador barricou-se na casa de banho e continuou a matar pessoas.