Donald Trump usou uma lenda para sugerir às autoridades espanholas que assassinassem os suspeitos do ataque de Barcelona. Depois de ter escrito que os Estados Unidos condenavam o ataque terrorista e que faria o que fosse preciso para ajudar, o presidente norte-americano foi repescar a lenda que utilizou na campanha eleitoral, em fevereiro de 2016, para sugerir que se respondesse com violência à violência.

"Estudem o que o general norte-americano Pershing fazia aos terroristas quando os capturava. Não houve mais terrorismo islamita durante 35 anos!", escreveu Trump.

O presidente dos EUA faz referência ao militar que comandou as tropas norte-americanas na Primeira Guerra Mundial que, segundo uma lenda, capturou 50 muçulmanos, matou 49 deles com balas embebidas em sangue de porco e salvou um para ir contar aos outros o que tinha acontecido.

Segundo alguns historiadores, este mito, que começou a circular depois do 11 de setembro, não tem qualquer veracidade. 

Quando Trump contou a história, em 2016, referia-se à versão das balas embebidas em sangue de porco. Agora voltou a ir buscar a lenda para "ajudar" os espanhóis.

Os ataques na Catalunha, fizeram pelo menos 19 mortos, entre vítimas e suspeitos abatidos.

A Polícia da Catalunha já deteve três pessoas por suposto envolvimento no ataque que foi entretanto reivindicado pelo Estado Islâmico.