Donald Trump, um dos candidatos republicanos às eleições presidenciais norte-americanas de 2016, disse, no domingo, que o mundo seria um lugar melhor se ditadores como Saddam Hussein e Muammar Kadhafi ainda estivessem no poder.
 
O magnata do ramo imobiliário, que marcou presença no programa “State of the Union” da CNN, vincou que o Médio Oriente "explodiu" durante a presidência de Barack Obama e da sua ex-secretária de Estado, Hillary Clinton, que é agora a maior rival de Trump na corrida à Casa Branca.

Quando questionado pelo jornalista da CNN se o mundo seria um lugar melhor se esses ditadores estivessem no comando do Iraque e da Líbia, o republicano foi categórico: “Sem dúvida”.

Donald Trump alertou que a intervenção dos Estados Unidos na Líbia e Iraque, levando à queda dos seus líderes, teve graves consequências para as populações.

"Estão a cortar a cabeça às pessoas e a afogá-las. Agora está tudo muito pior do que na altura de Saddam Hussein ou Kadhafi. Olhem para o que aconteceu. A Líbia é uma catástrofe. A Líbia é um desastre. O Iraque é um desastre. A Síria é um desastre. Todo o Médio Oriente está assim. Foi tudo pelos ares com Hillary Clinton e Obama.”


Chamando ao Iraque a "Harvard do terrorismo", Donald afirmou que o país se transformou num "campo de treino para terroristas".

Saddam, ex-presidente iraquiano, foi derrubado em 2003 na sequência da invasão do Iraque pelos EUA, sendo executado em 2006. Já Kadhafi, que governava a Líbia há quatro décadas, foi deposto e morto em outubro de 2011, durante o movimento apelidado de “Primavera Árabe”.