Donald Trump aceitou, esta sexta-feira, oficialmente, ser candidato à Presidência dos Estados Unidos, num discurso na sessão de encerramento da Convenção do Partido Republicano, em Cleveland, no estado do Ohio.

Donald Trump foi chamado ao palco pela filha Ivanka.

“Este é o momento e Donald Trump é a pessoa para tornar a América grande novamente”.

 

Foto Reuters

Seguia-se um discurso de uma hora e quinze minutos do homem que quer suceder a Barack Obama.

“Eu, humildemente, aceito a vossa nomeação para a presidência dos Estados Unidos”, disse Donald Trump perante uma ovação de pé e gritos: "EUA, EUA, EUA".

"Juntos vamos levar o nosso partido de volta para a Casa Branca", acrescentou.

No discurso, Donald Trump, disse que a sua rival nas eleições presidenciais norte-americanas de novembro, a democrata Hillary Clinton, deixou um legado de “morte, destruição e debilidade” quando foi secretária de Estado, entre 2009 e 2013. 

“O legado de Hillary Clinton não tem de ser o dos Estados Unidos. Os problemas que enfrentamos agora – pobreza, violência em casa, morte e destruição no estrangeiro – vão continuar sempre se mantivermos as mesmas políticas que os criaram”, disse Trump, em Cleveland, no Ohio, no encerramento da Convenção Nacional do Partido Republicano em que foi nomeado oficialmente candidato à Presidência dos EUA nas eleições deste ano.

Trump criticou a campanha de Clinton por ser um “fantoche” dos “grandes negócios, da elite mediática e dos grandes doadores” e ser representativa de um “sistema envenenado”.

O muro é mesmo para avançar

“Tenho uma mensagem para todos vós: o crime e a violência que hoje em dia aflige a nossa nação vai ter acabar em breve”, disse. “A segurança será reposta a 20 de janeiro de 2017”.

“Ninguém conhece o sistema melhor do que eu e, é por isso que sozinho vou conseguir arranjá-lo”, declarou.

As coisas têm de mudar e têm de mudar agora”, afirmou, reforçando a sua mensagem de querer fazer da América um lugar seguro.

E, por isso, neste discurso, não podiam também faltar as promessas mais polémicas. O magnata reiterou a intenção de construir um muro na fronteira com o México. 

“Vamos construir um grande muro para pôr fim à imigração ilegal, para pôr fim aos gangues e à violência, para impedir a entrada da droga”, afirmou Trump. 

Durante a campanha, antes das primárias republicanas, Trump prometeu que se for eleito, construirá um muro na fronteira mexicana, pago pelo México, para impedir a imigração ilegal. Também manifestou a intenção de expulsar dos Estados Unidos os 11 milhões de imigrantes ilegais que trabalham e vivem no país.

Hillary já reagiu ao discurso

A candidata democrata à presidência dos Estados Unidos, Hillary Clinton, já reagiu ao discurso em que o seu rival republicano, Donald Trump, aceitou a candidatura à Casa Branca, com esta frase no Twitter:

 “Somos melhores do que isto”.

 

E, depois deste tweet, seguiram-se outros de crítica e caricatura a Donald Trump por parte da campanha de Hillary Clinton, que também verá o seu nome oficializado na convenção democrata da próxima semana. 

 

 

"A única coisa que se coloca entre Donald Trump e a presidência somos nós".

 

 

"Trump acabou de aceitar a nomeação. Não podemos deixá-lo ser presidente"