O número de mortes atribuídas à epidemia do vírus do Ébola na Guiné-Conacri, Libéria e Serra Leoa alcançou os 467 indivíduos, de um total de 759 casos registados, revelou, esta terça-feira, a Organização Mundial de Saúde (OMS).

Segundo a «Reuters», os números revelados incluem casos confirmados, prováveis e suspeitos.

A última atualização da OMS, revelada a 23 de junho, dava conta de um total de 399 mortos, em 635 casos registados.

O aumento de 17% no número de mortos e o salto de 20% no número de casos, em apenas uma semana, aumenta a urgência de uma reunião de emergência de 11 ministros da saúde de Estados da África Ocidental, marcada para esta quarta e quinta-feira em Accra, no Gana, e onde se pretende coordenar uma resposta conjunta ao problema.

A OMS alertou, ainda, que existem três fatores que estão a ajudar a espalhar a doença: o enterro das vítimas de acordo com as crenças das comunidades locais, a densa população em volta das capitais da Guiné e da Libéria, e as atividades comerciais e sociais junto às fronteiras dos três países.

«Conter este surto requer uma resposta forte destes países, especialmente junto às suas fronteiras», afirma a ONU em comunicado.