O Papa Francisco lamentou esta quarta-feira o abandono de crianças, considerando que isso representa uma «desgraça para a sociedade» e é consequência de um sistema que gera pobreza e violência.

«Eu acho que há crianças não desejadas ou abandonadas na rua, crianças sem educação ou a saúde, as maltratadas e aquelas que lhes são roubadas a sua infância e juventude. É uma vergonha para a sociedade e um grito de dor dirigido diretamente para o coração de pai»


Num discurso feito a milhares de fiéis reunidos na Praça de São Pedro do Vaticano, o Sumo Pontífice defendeu que nenhuma «criança pode ser considerada um erro», cita a agência EFE.

«Para se justificar, alguns dizem que foi um erro trazer a criança para o mundo (...) O erro é do mundo dos adultos, do sistema que nós construímos, gerando bolsas de pobreza e violência, onde os fracos são prejudicados».


Perante isto, o Papa deixou no ar a pergunta:

«Nós escrevemos declarações de direitos humanos e da criança, e depois punimo-los por erros dos adultos?»

«As crianças são as primeiras vítimas de uniões imaturas e de separações irresponsáveis, e que também sofrem as situações de instabilidades devido às crises». «As crianças são da responsabilidade de todos, os pais não deveriam sentir-se sozinhos nas suas tarefas. A estabilidade social e promoção da família, a ausência de delinquência e a possibilidade de um trabalho digno, sem dúvida, contribuem para assegurar um lar»


Por isso, frisou, «nenhum sacrifício que os adultos possam fazer será considerado demasiado custoso ou muito grande, ao ponto de um filho achar que ele é um erro, que não vale nada, (ao ponto de admitir) que seja abandonado» «Com os meninos não se brinca», rematou o Sumo Pontífice.