O Comando das Nações Unidas publicou esta quarta-feira um vídeo que mostra a deserção do soldado norte-coreano que, no passado dia 13, cruzou a fronteira para a Coreia do Sul enquanto era baleado pelos colegas.

As imagens foram capturadas pelas câmaras de segurança da parte sul da fronteira e mostram como o soldado chega num todo-terreno até escassos metros da linha de demarcação que divide a península e corre depois para essa direção sob os disparos de quatro colegas militares, a muito curta distância.

O militar, que foi baleado pelo menos cinco vezes, recuperou a consciência na terça-feira depois de ter sido submetido a duas operações num hospital na Coreia do Sul.

O homem tentou aparentemente cruzar no todo-terreno a linha de demarcação, que divide em duas a zona desmilitarizada, onde teve lugar o raro incidente e o único ponto em que os soldados das duas Coreias se encontram ‘frente-a-frente’.

De acordo com as imagens agora divulgadas pelo Comando das Nações Unidas (UNC, na sigla em inglês), liderado pelos Estados Unidos, que vigia o armistício da guerra da Coreia, o todo-terreno ficou preso numa vala a poucos metros da linha de demarcação e esse ruído alertou vários soldados norte-coreanos estacionados nas imediações que correram na direção do veículo.

O militar desceu então do jipe e atravessou a fronteira a correr, enquanto quatro soldados se aproximaram e começaram a disparar a apenas umas dezenas de metros de distância.

Um dos soldados norte-coreanos chegou mesmo a atravessar a linha durante escassos segundos, o que a par com os tiros – que foram efetuados em direção ao Sul – constituiu, segundo o UNC, uma violação do cessar-fogo que colocou termo à Guerra da Coreia (1950-53).

Outras imagens capturadas por uma câmara térmica mostraram o resgate posterior do soldado por três militares sul-coreanos que o arrastaram pelo chão para evitar que fosse novamente baleado, levando-o depois para lugar seguro até ser transportado para o hospital.

Esta quarta-feira, em conferência de imprensa, o cirurgião que liderou as operações a que o soldado desertor foi submetido afirmou que o paciente se encontra estável e consciente.

O militar, que terá entre 20 e 30 anos, vai permanecer na unidade de cuidados intensivos nos próximos dias até que haja garantias de que não sofrerá mais infeções.

Durante as intervenções cirúrgicas, foram encontradas várias lombrigas intestinais no corpo do soldado que contribuíram para infetar os órgãos afetados pelos tiros.

O soldado mostrou, além disso, sintomas de “stress psicológico severo e depressão” após o incidente, de acordo com o médico.

Não são comuns os disparos contra desertores da Coreia do Norte que tentam a fuga através da Linha de Panmunjom.

Cerca de trinta mil soldados da Coreia do Norte desertaram para a Coreia do Sul desde o final da guerra, mas a maior parte usou rotas de fuga através da China.