Três pessoas morreram e 40 ficaram feridas em Van, leste da Turquia, num atentado com uma viatura armadilhada atribuído a combatentes do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK).

Segundo Mehmet Parlak, um responsável do governo local, citado pela agência de notícias Anadolu, o atentado visava uma esquadra da polícia em Ipekyolu, um bairro no centro da cidade de Van.

Mehmet Parlak atribuiu o atentado ao “grupo terrorista regional”, designação pela qual as autoridades referem o PKK, uma organização rebelde curda ilegal.

País charneira entre a Europa e a Ásia, a Turquia vive uma histórica divergência com a etnia curda, que representa cerca de 20% da população do país, segundo o PKK, que luta pela criação de um estado independente.

O conflito entre a Turquia e o PKK dura há cerca de 30 anos e terá causado mais de 30 mil mortos.

O fracasso de negociações no ano passado entre o governo turco e o PKK levou ao reacender das hostilidades. Em junho, os independentistas reivindicaram um atentado suicida contra a sede da polícia de Midyat, cidade do sudeste da Turquia. No mesmo mês, em Istambul, um outro atentado provocara seis mortos incluindo três polícias, tendo sido reclamado pelo TAK, o grupo Falcões pela Liberdade do Curdistão.