Em comunicado, o gabinete do antigo Chanceler alemão reagiu às notícias afirmando que o histórico da Alemanha reunificada "está bem, atendendo às circunstâncias."