Os Estados Unidos saudaram as declarações do antigo líder cubano sobre o processo de restabelecimento das relações diplomáticas entre Washington e Havana.

«Nós consideramos a sua referência aos princípios e normas internacionais como um sinal positivo», disse a porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Jen Psaki, aos jornalistas.

Esta segunda-feira foi lida na televisão estatal cubana uma carta dirigida aos estudantes da Universidade de Havana escrita por Fidel Castro que, na sua mensagem, quebra o silêncio relativamente à histórica aproximação diplomática entre os Estados Unidos e Cuba. O antigo presidente cubano disse «não ter confiança nos Estados Unidos», apesar de apoiar a «solução pacífica» e «negociada».

Jen Psaki afirmou que Washington espera, por isso, que «o governo cubano implemente esses princípios e normas internacionais para uma Cuba democrática, próspera e estável».

As declarações de Fidel Castro chegaram menos de uma semana depois da conclusão da primeira ronda de contactos oficiais entre Havana e Washington, realizadas em Cuba, nos passados dias 21 e 22.

A porta-voz da diplomacia norte-americana sublinhou que «há muito trabalho por fazer» e revelou que os Estados Unidos «convidaram responsáveis cubanos a visitarem Washington nas próximas semanas» para dar continuidade às conversações. Não foi, contudo, definida uma data.