A oposição venezuelana anunciou que não aceita a proposta do Vaticano para ser retomado o diálogo com o Governo a 13 de janeiro e que vai voltar aos protestos.

"Enquanto não se cumprirem os acordos nós não vamos estar em nenhum espaço [de diálogo]", disse o secretário da Mesa de Unidade Democrática (MUD), a aliança que junta a oposição, durante uma conferência de imprensa em Caracas, aqui citada pela Lusa.

Na terça-feira, o enviado do Vaticano, Cláudio Maria Celli, anunciou que o Governo venezuelano e a oposição iriam retomar o diálogo e que tinha sido agendada uma nova reunião de trabalho para 13 de janeiro de 2017.

A Venezuela tem enfrentado a maior crise da história, com escassez de bens essenciais como alimentos e medicamentos, e tem vivido em estado de emergência económica.

Em três meses, até meio de novembro, mais de 5,6 milhões de venezuelanos entraram e saíram do país, desde a reabertura da fronteira comum, sobretudo para comprarem alimentos e medicamentos.