O Japão registou em 2013 um recorde de 73.765 intervenções de centros de apoio a menores em casos de abusos de crianças, tanto físicos como psicológicos, o que traduz um aumento de 10,6% em termos anuais, revelou o Governo nipónico.

Os dados, revelados pelo Ministério da Saúde, Trabalho e Bem-estar, constituem o número mais alto desde que em 1990 foi iniciada a recolha de dados, refere a agência Kyodo.

O aumento também está relacionado com um maior esforço para compilar dados, acrescentaram fontes governamentais.

As estatísticas incluem os casos de menores que sofreram abusos psicológicos, maus-tratos físicos, negligência familiar e abusos sexuais, apesar de não detalharem cada categoria.

Incluídos estão ainda os menores que sofreram maus-tratos psicológicos por, por exemplo, terem assistido a atos de violência doméstica nas suas casas.

Em 23 dos casos os centros de apoio aos menores solicitaram às autoridades a retirada das crianças de seus casas, menos quatro casos que em 2012, tendo sido confirmados por um tribunal de família 15 pedidos. Dos restantes, cinco foram arquivados e três aguardam ainda decisão.

A maioria dos casos em que os menores foram retirados à família deveu-se a abusos sexuais perpetrados pelos próprios pais ou pelo companheiro da mãe.