Ninguém sabe o seu nome, idade, de onde vem ou sequer que língua fala. As autoridades, que têm cuidado da menina nas últimas semanas, deram-lhe o nome “Nina”. Mas admitem que, apesar dos esforços, ainda não conseguiram descobrir nada sobre a sua identidade.

Por esta razão, a ministra da família da Croácia, Milanka Opacic, pediu aos jornalistas do país que partilhassem a história e imagens da rapariga, na esperança de que consigam encontrar a sua família.

“Até agora não temos informação, não conseguimos descobrir a sua língua ou a sua origem. Hoje decidimos pedir-vos, meios de comunicação, para ajudar a desvendar a sua identidade. É muito importante para nós que alguém, em qualquer sítio, a reconheça, para que possamos contactar algum membro da família."

Pensa-se que a menina poderá pertencer a uma família de refugiados que tenha entrado no país, nos últimos meses. De acordo com a Sky News, desde setembro já entraram 330.000 refugiados na Croácia, sobretudo provenientes da Síria.