Uma menina de três anos, que brincava com um isqueiro, provocou um incêndio numa fábrica na província de Guangdong, no sul da China, em que morreram 12 pessoas. O acidente é anunciado pelas autoridades, após oito dias de investigação.

De acordo com a Administração Provincial de Segurança do Trabalho, citada pela agência EFE, a menina, filha do dono da fábrica, incendiou umas esponjas guardadas no primeiro andar do edifício. O fogo matou 12 trabalhadores por asfixia e outros operários foram hospitalizados.

O dono da fábrica, Zheng Xiaosheng, fugiu após o incidente, que ocorreu a 26 de março na cidade de Puning, mas depois rendeu-se às autoridades.

A polícia descobriu entretanto que a fábrica não tinha as autorizações necessárias para operar e não cumpria as políticas de segurança. Por isso, as autoridades também investigaram vários líderes locais para determinar se tinham conhecimento da situação e se a permitiam.

Um dos feridos continua hospitalizado, enquanto as famílias das 12 vítimas mortais chegaram a um acordo para receber indemnizações.