A cocaína é um ingrediente cada vez mais comum nos restaurantes de alto nível. Quem o diz é o chef de cozinha britânico Gordon Ramsay, que afirma mesmo que o uso da substância, que descreve como o “pequeno segredo” da indústria da restauração, está “fora de controlo”.

Gordon Ramsay contou, numa entrevista à Radio Times, que num jantar de caridade, um casal lhe pediu que polvilhasse um soufflé com cocaína, misturada com o açúcar em pó.

Quando chegou a sobremesa, o casal chamou-me e disse: ‘Olhe, estão todos muito felizes por estar aqui, mas pode fazer um soufflé como nunca fez e combinar açúcar com cocaína?’”

O chef riu-se do pedido, foi à cozinha e espalhou apenas açúcar em pó na sobremesa e cobriu-a com caramelo, para que os clientes não conseguissem identificar se o soufflé continha ou não cocaína. De seguida, entregou a sobremesa e abandonou o restaurante, pelas traseiras, sem se despedir dos convidados.

A entrevista foi feita a propósito do lançamento do novo documentário do chef, intitulado “Gordon Ramsay on Cocaine”, que estreia no dia 19 de outubro, na ITV. A ideia para o programa surgiu depois de, no Natal passado, um cliente de um dos seus restaurantes ter levado um prato para a casa de banho para snifar cocaína. De seguida, entregou o prato ao empregado e exigiu que lhe fosse entregue um limpo.

Isso levantou-me o dilema sobre quão longe esta questão está a ir e sobre a pressão com que os restaurantes têm que lidar da parte dos clientes.”

Depois desse episódio caricato, o chef decidiu fazer testes nas casas de banho dos seus 31 restaurantes espalhados pelo mundo e concluiu que apenas um não tinha vestígios de cocaína.

O objetivo do documentário é alertar para as consequências do uso de drogas, um tema que é familiar para o famoso chef. Um dos funcionários de Gordon Ramsay, David Dempsey, morreu em 2003, devido ao abuso da cocaína.

Além disso, o irmão mais novo do chef, Ronnie, é viciado em heroína há vários anos. De acordo com Ramsay, Ronnie viajou para Portugal, há seis meses, e não dá notícias desde então.