O relator da ONU para a Coreia do Norte pediu esta terça-feira a Seul uma investigação "alargada e abrangente" sobre o caso controverso das 12 norte-coreanas que em 2016 viajaram da China para a Coreia do Sul.

Tomas Ojea Quintana defendeu que as 12 trabalhadoras, que alegadamente desertaram para o Sul, desconheciam "para onde estavam a ir", conclusão a que chegou depois de entrevistar algumas das norte-coreanas, em Seul, na semana passada.

As mulheres abandonaram o restaurante na cidade chinesa de Ningbo em 2016, juntamente com o gerente, e na altura o caso foi noticiado como sendo uma deserção voluntária. Pyongyang, por outro lado, sempre tratou o caso como "um sequestro".

Em maio deste ano, o gerente do restaurante norte-coreano admitiu que enganou as empregadas a pedido dos serviços secretos sul-coreanos. Na altura, explicou que tinha começado a trabalhar como informador dos serviços secretos numa altura em que se sentiu desiludido com o regime de Kim Jong-un.

Quintana pediu ao governo sul-coreano que conduza "uma investigação independente e abrangente" para esclarecer o caso e "responsabilizar os responsáveis".

O relator da ONU não especificou se as mulheres com quem falou manifestaram o desejo de regressar à Coreia do Norte, mas acrescentou que os "seus desejos devem ser respeitados".

"A minha posição como relator de direitos humanos é respeitar as decisões das vítimas e, quando digo vítimas, sugiro que elas tenham sido objeto de algum tipo de engano em relação ao seu destino", indicou.