“Os sinais estão a começar a ser promissores”, disse à Reuters Stephen Morse, um epidemiologista do Centro Médico da Universidade de Columbia, de Nova Iorque. “Tenho esperança que comece a declinar, mas ainda há pessoas doentes”.