A polícia da Coreia do Sul iniciou esta sexta-feira buscas na casa do homem que quinta-feira feriu o embaixador norte-americano em Seul, Mark Lippert,e lhe provocou ferimentos na cara e numa mão.

Dezenas de agentes entraram, com uma ordem judicial, na casa de Kim Ki-jong, o agressor, onde também funciona o seu escritório no bairro de Seodaemun, na capital sul-coreana, tendo confiscado documentos e dispositivos de armazenamento de dados, revelou a polícia.

As autoridades policiais esperam conseguir encontrar objetos ou informações que expliquem o ataque e permitam determinar como este foi planeado, e se existem cúmplices.

Por outro lado, a justiça do país autorizou também a obtenção dos registos telefónicos de Kim Ki-jong e esta sexta-feira deverá ser apresentada uma ordem de prisão que incluirá a acusação de tentativa de homicídio.

O agressor, de 55 anos, atacou o embaixador norte-americano numa cerimónia pública num centro de arte em frente da representação diplomática dos Estados Unidos.

Imediatamente após o ataque, Kim Ki-jong proclamou várias frases contra as manobras militares entre americanos e sul-coreanos que levaram a fortes protestos da Coreia do Norte.

O detido garantiu à polícia ter agido sozinho e que planeou o ataque há 10 dias.

O caso do ataque ao embaixador é o primeiro a um representante norte-americano na Coreia do Sul e o segundo a um embaixador na capital da Coreia do Sul depois de, em 2010, o mesmo Kim Ki-jong ter lançado um bloco de cimento contra um diplomata japonês sem que o objeto o tenha atingido.