O primeiro tiroteio

O primeiro ataque aconteceu junto a um edifício onde decorria um debate de homenagem ao «Charlie Hebdo», as autoridades dinamarquesas informaram que só há um suspeito envolvido e já divulgaram a fotografia do indivíduo que, na imagem, usa um casaco escuro e um gorro que cobre todo o pescoço e quase toda a cabeça. O suspeito transportava também uma mala preta. Inicialmente as autoridades tinha afirmado que existiam dois atiradores. 


O encontro, intitulado «Arte, Blasfémia e Liberdade de Expressão», ocorreu num centro cultural, na zona norte de Copenhaga, e teve a participação do artista sueco Lars Vilks, o autor de caricaturas do profeta Maomé que causaram polémica em 2007. Vilks escapou ileso.














Veja os cartoons de Lars Vilks



A primeira-ministra da Dinamarca diz que o país foi alvo de «um ato de violência cínica», de acordo com a agência francesa AFP.

«A Dinamarca foi hoje alvo de um ato de violência cínica. Tudo leva a crer que o tiroteio tenha sido um atentado político, e, consequentemente, um ato terrorista», disse Helle Thorning-Schmidt.



«Charlie Hebdo está vivo»