A Agência Espanhola do Medicamento requereu a retirada do mercado do método contracetivo “Essure”, por este não dispor atualmente do certificado CE e como medida de precaução ordenou aos serviços de saúde que parem de o utilizar.

A Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos de Saúde (AEMPS) foi informada pela empresa Bayer Hispania da suspensão temporária do certificado CE a este produto, emitido pelo Organismo Notificado Irlandês.

A suspensão do certificado tem efeitos desde o dia 03 de agosto e por um período de 90 dias, até 02 de novembro.

Muitos produtos só podem ser vendidos na União Europeia se ostentarem a marcação CE, que certifica que os mesmos foram avaliados e cumprem os requisitos da UE em matéria de segurança, saúde e proteção do ambiente.

Numa nota emitida na segunda-feira, a AEMPS explica que o "Essure" é um anticoncecional permanente e que atua de forma mecânica, provocando uma reação de corpo estranho que produz a oclusão da trompa.

Na mesma nota, a agência espanhola refere que por não ter atualmente o certificado CE em vigor, foi requerida a sua retirada do mercado.

Segundo a Agência Espanhola do Medicamento, os dados do estudo epidemiológico francês, de 19 de abril de 2017, que teve em conta os resultados de um estudo epidemiológico de mais de 100.000 mulheres, não questionam a relação benefício/ risco do "Essure" implante, e que, por isso, não é apropriado aconselhar a remoção do dispositivo.

A 22 de fevereiro, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), no Brasil, suspendeu o contracetivo sistema "Essure", apontando como potenciais riscos associados ao dispositivo “alterações no sangramento menstrual, gravidez indesejada, dor crónica, perfuração e migração do dispositivo, alergia e sensibilidade ou reações do tipo imune”.