Um homem, de origem argelina, foi preso esta quinta-feira depois de tentar atroplear uma multidão de pessoas que estavam na mesquita Créteil, em Paris. Não foram registados feridos nesta tentativa de ataque.

De acordo com o jornal Le Parisien, o homem pretendia vingar ataques ligados ao Estado Islâmico. Depois do incidente, o suspeito tentou fugir a pé, mas acabou por ser detido pela polícia.

Nesta tentativa de ataque, o homem terá referido o ataque terrorista de novembro de 2015, no Bataclan.

Depois do incidente, a polícia divulgou que “um indivíduo que conduzia um veículo 4x4 bateu nos cones e nas barreiras colocadas para proteger a mesquita de Créteil. Depois de não conseguir passar os obstáculos, o motorista continuou a correr, caiu e depois fugiu. Não houve feridos. O motorista e proprietário do veículo foram presos”.  

Segundo declarações feitas por uma testemunha ao jornal francês, “as pessoas não gritaram, ficaram todos calmos. Nós vimos o carro a passar três vezes na mesquita, o que foi estranho, e, de repente, foi muito rápido”.

O ataque, condenado pelo chefe policial de Paris, Michel Delpuech, já está a ser investigado. Dalil Boubakeur, reitor da Grande Mesquita de Paris, classificou o incidente como um “ataque criminal e um ato de Islamofobia.

Abdallah Zekri, responsável do Observatório Nacional Contra a Islamofobia, disse à AFP, agência noticiosa francesa, que “o que acabou de acontecer em Créteil parece justificar os medos que expressei depois do ataque perto da mesquita do Parque Finsbury, em Londres. O chefe apelou a uma maior “vigilância por parte dos funcionários da mesquita” e a um fortalecimento e “proteção dos lugares de culto”.