O herdeiro do grupo Samsung, Lee Jae-yong, recorreu esta segunda-feira da sentença que o condenou a cinco anos de cadeia no âmbito do escândalo de corrupção que levou à destituição da ex-presidente sul-coreana Park Geun-hye.

O advogado de Lee, Kim Jong-hoon, interpôs recurso da decisão judicial junto do Tribunal do Distrito Central de Seul, informou a agência de notícias sul-coreana Yonhap, sem facultar mais detalhes.

De acordo com a sentença proferida na sexta-feira, que condenou Lee a cinco anos de cadeia, o tribunal considerou provado que foram entregues subornos à então presidente Park Geun-hye com a expetativa de obter favores do Governo no quadro da sua consolidação como chefe do grupo Samsung.

Lee Jae-yong também foi condenado por desviar fundos da empresa, ocultar ativos no exterior e perjúrio. Entre os factos que o tribunal considera provados está o pagamento de 7,2 mil milhões de wons (cerca de 5,3 milhões de euros) para financiar o programa de equitação da filha de Choi Soon-sil, amiga da ex-presidente responsável por um escândalo de corrupção que derrubou o governo.