O Concelho de Segurança das Nações Unidas (ONU) condenou, esta sexta-feira, o assassinato do jornalista norte-americano, James Foley, pelo Estado Islâmico e classificou o seu autor de «cobarde e odioso».

Na quarta-feira, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, já se tinha pronunciado sobre a decapitação do jornalista como um «crime abominável».

Para os 15 membros do Conselho de Segurança da ONU é urgente a libertação «imediata e sem condições» de «todos os reféns nas mãos do Estado Islâmico, da Al-Nosra e de outros indivíduos, grupos ou entidades associadas à al-Qaida».