A Comissão Europeia (CE) vai disponibilizar 62 milhões de euros para ajudar os refugiados originários da Síria e que tenham sido obrigados a sair do país por causa da guerra civil. A este financiamento somam-se 43 milhões de euros destinados a ajudar o Líbano e 28 milhões para a Jordânia.
 

"Temos que continuar a conseguir ajuda humanitária para os sírios, porque o próximo inverno irá trazer ainda mais dificuldade para os mais vulneráveis", anunciou Christos Stylianides, comissário europeu de Ajuda Humanitária e Gestão de Crise.


Para tal, Bruxelas emitiu um comunicado para anunciar que vai disponibilizar o novo financiamento, que, segundo a EFE, vai servir para cobrir as necessidades básicas dos refugiados e das comunidades de acolhimento, este inverno. Atenção médica, acesso à água potável, à habitação e à educação, vão ser os elementos priorizados pelo Executivo comunitário.

A Comissão Europeia já tinha proposto, em setembro, uma ajuda suplementar, no valor de 800 milhões de euros, até ao final deste ano. O dinheiro serviria para apoiar o trabalho da Agência das Nações Unidas para os Refugiados, o Programa Mundial de Alimentos e as organizações que trabalham com os refugiados, para que pudessem fornecer um auxílio mais eficaz.

Até agora, a União Europeia já doou 4.2 mil milhões de euros à Síria, em programas de apoio económico e social.