Fotografias de uma assistente de bordo dentro de um compartimento de bagagem num avião de uma companhia aérea chinesa tornaram-se virais nas redes sociais e causaram polêmica no país. As fotografias, publicadas na Internet pela famosa aplicação WeChat, foram consideradas um atentado moral, por parte dos internautas chineses.

De acordo com a publicação, as hospedeiras foram “obrigadas pelos seguranças da companhia a deitarem-se nos compartimentos, após 30 a 50 horas de serviço”, como parte de um “ritual da companhia”.

A Kunming Airlines, a companhia aérea onde alegadamente se passaram os rituais, emitiu um comunicado onde diz que vai investigar o caso.

Para a companhia aérea, o incidente ocorreu depois de a tripulação ter completado o trabalho, sublinhando que a segurança do voo não foi posta em causa. Refere ainda que nunca recebeu qualquer reclamação por parte dos tripulantes.

“A companhia considera este incidente preocupante, e irá tomar medidas para que nada do género se venha a repetir.” – Indica no comunicado.

A Emissora Estatal chinesa, CCTV News, escreveu na página de Facebook que apesar de estarem “aborrecidas” por causa do ritual, as assistentes de bordo tinham medo de não serem aceites pelos colegas mais velhos. 

“Várias hospedeiras apresentarem queixas sucessivas à companhia, mas estas foram ignoradas, e o ritual continuou” – lê-se na publicação.

A situação incendiou as redes sociais chinesas, nas quais muitos internautas criticaram severamente o ritual, mostrando apoio pelas assistentes de bordo que passaram por esta provação.

“As hospedeiras já passam muito com passageiros difíceis e escalas irregulares. Imaginem terem de lidar com problemas adicionais vindos dos colegas que deveriam ter outro comportamento”.


Também houve quem tivesse posto em causa a segurança da Kunming Airlines, devido a este incidente.