o rapaz não vai à escola, por não ter sido admitido em nenhuma, e passa os dias a brincar na floresta. Foi considerado culpado de ter iniciado incêndios na aldeia, inclusive à própria casa.

«Ninguém quer brincar comigo, tenho de brincar sozinho», disse Kun Kun. Alguns vizinhos confessaram que receavam que os filhos «apanhassem» sida se tocassem no rapaz ou se ele os mordesse.





«O que essas pessoas fizeram é extremo e irracional. Mas na verdade é compreensível. É porque ainda não sabem muito sobre a doença e temem-na bastante», disse Ye Dawei, o diretor da Fundação Laço Vermelho, ao jornal China Real Time. «Conseguimos aperceber-nos que não fizemos trabalho suficiente de propaganda», acrescentou.