A China proibiu os jornalistas de fazerem «trabalhos críticos» sem autorização prévia, uma decisão que representa um agravamento da repressão num país onde as restrições à imprensa são das mais rígidas a nível mundial.

Os jornalistas chineses «estão proibidos de realizarem trabalhos críticos a não ser que tenham recebido aprovação do seu local de trabalho», anunciou hoje a administração estatal de imprensa, publicação, rádio, cinema e televisão, de acordo com a agência oficial de notícias Xinhua.

A decisão do Governo chinês é justificada com a intenção de evitar a extorsão, notícias pagas e reportagens falsas.