Várias pessoas ficaram feridas no hospital universitário de Zhengzhou, província de Henan, na China, ao serem atingidos por destroços do edifício, que começou a ser demolido inesperadamente, por ordem do Governo.

O Executivo deu ordem de demolição de parte do hospital para poder avançar com o alargamento de um estrada, mas a direção nunca concordou com os planos. Na terça-feira, com médicos e pacientes ainda dentro da unidade de saúde, a demolição avançou.

O gabinete de informações do governo do distrito de Huiji desmente esta versão da história, e garante que o hospital estava informado da data da destruição do edifício e que os trabalhadores confirmaram que não havia ninguém no seu interior antes de começarem.

Os trabalhos começaram pela morgue anexa ao hospital, e todos os funcionários e pacientes conseguiram fugir, apesar de alguns ferimentos.

Fontes oficiais do hospital universitário confirmaram, no entanto, à Associated Press, que seis corpos que se encontravam na morgue ficaram soterrados nos destroços, o que consideram um "desrespeito para com os mortos".

A mesma fonte estima, ainda, que o prejuízo dos danos provocados no hospital e no material médico ronde os 2,5 milhões euros.