A China puniu 249 funcionários públicos por "preguiça", nomeadamente, devido ao atraso na conclusão de obras públicas e não utilização de fundos do Governo e terrenos para construção, noticia a agência oficial chinesa Xinhua nesta quarta-feira.

A investigação, que decorreu entre maio e meados de junho, resultou na demissão ou despromoção de funcionários em 24 províncias, regiões ou cidades chinesas.

"Desde que foi lançada a mais drástica campanha anticorrupção de sempre na China, muitos funcionários mostram-se reticentes em aprovar grandes projetos", escreve o jornal China Daily, acrescentando que “no passado, as autoridades locais tentavam todos os meios possíveis para obter a permissão e financiamento do Governo central para o desenvolvimento de projetos”. 

No total, 296 mil milhões de yuan (cerca de 41 mil milhões de euros) em fundos públicos ficaram por gastar.

Lançada após a ascensão ao poder do presidente Xi Jinping, a campanha anticorrupção já atingiu dezenas de altos quadros com estatuto ministerial e milhares de funcionários públicos. 

Segundo a agência Xinhua, Pequim quer “combater a preguiça e inércia no Governo e garantir que os objetivos económicos para este ano estão a ser cumpridos”.

A economia chinesa deverá crescer 7% em 2015, o ritmo mais baixo do último quarto de século.