Quatro homens foram detidos em Chicago devido ao seu alegado envolvimento num vídeo difundido em direto no Facebook, em que um homem com deficiência mental é torturado, informou a polícia daquela cidade norte-americana.

Na gravação, a vítima aparece atada e amordaçada e é agredida por vários indivíduos afro-americanos enquanto insultam o presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump, e a população branca.

Segundo a polícia, que não identificou a vítima, apesar de se ter dito que tem “necessidades especiais”, as imagens do vídeo podem considerar-se um crime de ódio.

Durante o vídeo, que tem cerca de 30 minutos, é possível ouvir os intervenientes a gritar: "vou torturar-te" e "vai acontecer um homicídio aqui".

As autoridades de Chicago prometeram castigar os autores das agressões.

Um vídeo de um ato brutal contra um adulto com deficiência mental foi publicado nas redes sociais. As imagens mostram a falta de vergonha dos agressores, que depois mostraram [as suas ações] ao mundo", afirmou o superintendente Eddie Johnson, segundo o The Guardian.

A vítima esteve entre 24 a 48 horas com os suspeitos e tinha sido dada como desaparecida. A polícia disse que que o homem está traumatizado e que foi difícil conseguir que falasse com alguém das autoridades.

A polícia encontrou o homem na terça-feira desorientado e foi levado para o hospital para receber tratamento.