Dois dos atiradores de Paris, que foram mortos esta sexta-feira, falaram com a televisão francesa BFM TV e afirmaram estar ligados a organizações terroristas: um à Al Qaeda e outro ao Estado Islâmico. Foi a própria televisão que anunciou que conversou esta manhã com os dois suspeitos. O jornalista que os entrevistou também deu conta disso mesmo no Twitter:
 
A BFM TV conversou com um dos irmãos Kouachi, o mais velho, Chérif - suspeito do ataque ao «Charlie Hebdo» -, que adiantou que o ataque foi encomendado pela «Al Qaeda no Iémen» e foi financiado pelo imã Anwar Al Awlaki. 

Chérif Kouachi foi morto, recorde-se, na fábrica de  Dammartin-en-Goële, esta sexta-feira, na sequência de um cerco efetuado pela polícia no local.

A televisão francesa falou ainda com Amedy Coulibaly. O terrorista disse estar «sincronizado» como  ataque ao «Charlie Hebdo» e assumiu-se defensor do Estado Islâmico. Além disso, confirmou que matou a polícia na quinta-feira em Montrouge.

Foi ele que se barricou esta sexta-feira num supermercado em Vincennes, em Paris, tendo sido também abatido pela polícia.