Milhares de pessoas juntaram-se numa das mais longas pontes do continente americano, no domingo, e deram as mãos, num gesto de solidariedade para com as vítimas do massacre na igreja de Charleston, nos Estados Unidos.

O grupo formou uma fila entre Charleston e Mount Pleasant, sobre o rio Cooper, para formar o que os organizadores chamaram de Ponte para a Corrente de União de Paz, com quase quatro quilómetros.

“Não são apenas as vidas dos negros que são importantes, todas as vidas contam. Estamos unidos como espécie humana”, disse o líder do movimento “As vidas negras são importantes”, Jay Johnson.


Este domingo, a igreja episcopal de Charleston organizou a sua primeira missa, desde o massacre.

Centenas de pessoas estiveram na igreja para assistir à cerimónia, liderada por um pastor convidado, já que o que pertencia àquela congregação estava entre as vítimas do tiroteio.

A mensagem transmitida foi a de que o alegado autor do crime, Dylann Roof, de 21 anos, falhou na sua intenção de esmagar o espírito de amor e fé entre a comunidade.