O Presidente da República apresentou hoje «sentidas condolências» ao rei Guilherme Alexandre da Holanda pela morte do irmão, o príncipe Johan Friso de Orange-Nassau, que estava em coma desde fevereiro de 2012 e morreu hoje de manhã.

«Foi com profunda consternação que tomei conhecimento da notícia do falecimento de Sua Alteza Real, o Príncipe Johan Friso, irmão de Vossa Majestade. Nesta hora de dor, quero apresentar a Vossa Majestade, em nome do povo português e no meu próprio, a expressão das nossas muito sentidas condolências e os sentimentos do nosso profundo pesar», lê-se numa mensagem enviada pelo chefe de Estado português ao rei da Holanda e que foi divulgada no site da Presidência da República.

Segundo um comunicado do serviço de imprensa da família real holandesa, «o príncipe Friso morreu após complicações que surgiram devido aos danos provocados no cérebro pela falta de oxigénio no momento do seu acidente de esqui a 17 de fevereiro em Lech», uma estância turística na região oeste da Áustria.

Em fevereiro do ano passado, o príncipe Friso, segundo filho da rainha Beatriz da Holanda, que abdicou do trono em abril passado a favor do seu primogénito, foi apanhado por uma avalancha na Áustria.

Na altura, Johan Friso foi transportado de helicóptero para o hospital universitário de Innsbruck depois de ter estado soterrado cerca de 20 minutos.

"Devido ao tempo passado sob a neve, o cérebro não recebeu oxigénio suficiente", explicou então Wolfgang Koller, responsável da unidade de cuidados traumatológicos do hospital.

"Tornou-se claro que a falta de oxigénio provocou danos maciços no cérebro do paciente", acrescentou o médico, na mesma ocasião.

O príncipe Johan Friso, de 44 anos, casou-se em 2004 com Mabel Wisse Smit. Pai de duas raparigas, Luana e Zaria, vivia com a família em Londres.

O Governo holandês não autorizou o casamento de Johan Friso e oficialmente o príncipe já não pertencia à casa real holandesa e não estava na linha de sucessão ao trono. Mantinha o título de "príncipe de Orange-Nassau".

O príncipe estudou engenharia mecânica em Berkeley (Estados Unidos), e depois em Delft, perto de Haia, onde obteve o diploma de engenheiro em 1994.

No mês passado, a família decidiu transferir o príncipe da clínica Wellington, em Londres, para o Palácio Huis ten Bosch, em Haia, na Holanda.