Uma semana depois da super terça-feira, os pré-candidatos republicanos e democratas partem para mais umas primárias, todos com os olhos postos em um Estado em particular, o Michigan, que vale 59 e 148 delegados, respetivamente.

Além deste Estado do norte, os pré-candidatos ainda vão disputar o Mississippi, o Havai e o Idaho, estes dois últimos apenas do lado dos republicanos.

Apesar de terem cedido terreno para os rivais durante o fim de semana, Donald Trump e Hillary Clinton partem à frente, e, novamente, como favoritos a vencer as primárias e caucus desta terça-feira. Ambos mantêm uma distância confortável para os concorrentes na corrida à conquista dos 1237 (no caso dos republicanos) e 2383 (no caso dos democratas) delegados necessários para garantir a nomeação para as eleições de 8 de outubro.

Veja também: qual a diferença entre primárias e caucus?

Do lado dos republicanos, Trump tem até ao momento 12 Estados conquistados, que lhe garantiram 382 dos tais 1237 delegados necessários. Em segundo lugar está o senador do Texas, Ted Cruz, que recuperou da distância de mais de uma centena de delegados que tinha de Trump, e tem neste momento 300, e seis Estados “no bolso”. Bastante mais atrás está Marco Rubio, senador da Florida, com 128 delegados e apenas o Estado do Minnesota e o território do Porto Rico conquistados.

Ainda assim, Rubio não é o pior entre os republicanos, esse lugar (o 4º) pertence a John Kasich, com apenas 35 delegados e sem qualquer Estado.

Os olhos estão colocados no Michigan, que vale 59 delegados, e no Mississippi, que vale 40. Ainda assim, os Estados do Idaho e Havai valem 32 e 19, respetivamente, e, por isso, não devem ser menosprezados.

Do lado dos democratas, que não têm primárias e caucus nestes dois últimos Estados, as atenções estão, de igual forma, completamente focadas no Michigan, que vale 148 delegados, entre os quais 17 super delegados – democratas com liberdade de voto na Convenção Nacional de julho, de onde sairá o candidato presidencial.

Para conseguir a nomeação, os democratas têm de conseguir metade (mais um) dos 4765 delegados do partido, ou seja, 2472. Hillary Clinton já tem 1.121 (663 + 458 super delegados), e 11 Estados “no bolso”, enquanto Bernie Sanders tem menos de metade: 481 (459 + 22 super delegados) e oito Estados.

É exatamente pela distância reduzida entre os republicanos e pela necessidade de recuperar terreno no lado dos democratas que as eleições desta terça-feira são relevantes: Bernie Sanders está obrigado a ganhar, não há nada mais a dizer. Do lado dos republicanos as contas são mais complicadas.

Se Ted Cruz conseguir mais de 50% dos votos no Michigan e no Mississippi, dá um passo de gigante para tentar apanhar Donald Trump, mesmo que este conquiste todos os delegados do Havai e Idaho, o que é altamente improvável. Por outro lado, se Trump conseguir mais de 50% nesses dois “maiores” Estados, pode voltar a ficar com cerca de duas centenas de delegados a mais que o seu opositor mais próximo.

Marco Rubio e John Kasich também podem ter aqui uma oportunidade de recuperar terreno, mas não são favoritos. Uma sondagem da NBC dá 41% das intenções de voto a Donald Trump, 22% a Ted Cruz, 17% a Marco Rubio e 13% a John Kasich para o Michigan.

Do lado dos democratas, Hillary Clinton tem 57% das intenções, e Bernien Sanders 40%.

Veja abaixo os resultados das primárias (passe o rato sob os Estados para conhecer os vencedores)

Veja AQUI o calendário e todos os resultados eleitorais das primárias nos EUA.