Os automóvel a gasóleo terão de ser sujeitos a testes às emissões poluentes, em contexto real de condução. Mas só a partir de setembro de 2017, informou a Comissão Europeia.

Isto porque os 28 Estados-membros da União Europeia aprovaram esta quarta-feira, por larga maioria, o segundo pacote de futuras medidas para introduzir essa avaliação, nesses moldes.

No comité técnico de veículos automóveis, os países acordaram que, a partir de setembro de 2017, os testes em condições reais de condução determinem a aprovação da comercialização de um novo modelo. A partir de 2019, as regras devem ser aplicadas a todas as viaturas novas.

A comissária responsável pelo Mercado Interno e Indústria, Elżbieta Bieńkowska, sublinhou que o espaço comunitário tornou-se na “primeira e única região do mundo a impor testes robustos”, cita a Lusa.

“E este não é o fim da história. Iremos complementar este passo importante com a revisão do quadro regulamentar sobre a homologação e supervisão de veículos automóveis no mercado”, afirmou a responsável, informando que Bruxelas está a recolher vários pontos de vista sobre a matéria.

Os 28 também concordaram que os fabricantes devem reduzir a discrepância entre o limite regulamentar testado nos laboratórios e os valores da condução real.

Recorde-se que foi em setembro que recentou o escândalo no grupo Volkswagen, que reconheceu que colocou em 11 milhões de veículos um dispositivo que identifica quando o carro está a ser submetido a testes, emitindo assim menos gases poluentes para cumprir os limites impostos pelas autoridades de vários países.