Peter Steer, um operador de câmara do Channel 7 News, filmou o momento em que um homem armado levou o seu carro, na quinta-feira, em Sunshine Coast, na Austrália. Inicialmente, o suspeito confessa um crime e parece arrependido, mas depois muda de ideias e rouba o carro do canal de notícias, apontando uma arma a Peter.

 
 

Segundo o Telegraph, Peter estava na estrada para fazer a cobertura jornalística de um tiroteio em Brisbane quando um motociclista lhe pediu ajuda. «Ele saiu da mota, aproximou-se de mim e disse: 'Eu tenho uma história para si'. Eu respondi-lhe: 'Bem, companheiro, é melhor apressares-te porque estou a caminho de um tiroteio’, e ele disse ‘Sou eu o atirador’», contou Steer.
 
Numa extraordinária sequência de eventos, o atirador identifica-se como Jordy Brook e confessa que fez algo «extremamente mau». Com lágrimas nos olhos e sangue nas mãos, o homem diz a Steer: «Espero que ela esteja bem…acho que ela está morta… Sinto-me um cobarde, não consegui combater o diabo.»
 
No vídeo, ouve-se Steer a ligar para polícia, mas, segundo um relato posterior, os agentes demoraram meia hora a chegar. Enquanto estavam à espera, Brook surpreende o repórter e salta para a carrinha do canal de notícias, aponta uma arma ao operador de câmara, que tenta persuadir o homem a não ser um «idiota», e foge com o veículo.
 
Enquanto o suspeito foge, outra das câmaras de Steer, instalada dentro da carrinha, capta o momento em que Brook choca contra um sinal de trânsito e, em seguida, num tanque de combustível numa estação de serviço, causando uma fuga de combustível.
 
Após o embate, o suspeito sai do veículo e pede um isqueiro a um homem que estava na estação de serviço, enquanto caminha na direção da fuga de combustível. A polícia conseguiu capturá-lo antes que ele pudesse provocar um incêndio.
 
De acordo com o 7 News Channel, Brook, de 45 anos, foi acusado por vários crimes: tentativa de homicídio, roubo à mão armada, condução perigosa, posse de arma ilegal e duas acusações de danos intencionais.
 
Steer, operador de câmara desde 1980, confessou que não estava muito abalado com o incidente, mas que provavelmente precisava de uma «grande bebida».