A Turquia divulgou, nesta quarta-feira, o que diz ser o áudio de aviso ao bombardeiro russo que foi abatido junto à fronteira síria, na terça.
 
O som foi divulgado depois de o piloto russo que sobreviveu ter afirmado, em entrevista, que não foi avisado de que estava a invadir o espaço aéreo turco.
 
Na gravação, uma voz em inglês, que assume ser da Força Aérea turca, diz ao Sukhoi Su-24 que “está a aproximar-se do espaço aéreo turco” e “mude de direção imediatamente”, alertas que diz ter emitido repetidamente durante cinco minutos antes de decidir atingir o avião russo de combate aos jihadistas na Síria.

Os avisos, garantem, foram feitos repetidamente durante cinco minutos. E os dois pilotos conseguiram ejetar-se antes do aparelho ser abatido.



O capitão Konstantin Murakhtin, resgatado nesta madrugada pelo exército sírio, negou, em entrevista transmitida pela televisão russa, que os dois militares que seguiam a bordo do F-16 tenham recebido qualquer aviso para se afastarem da fronteira turca. 

O outro piloto ficou ferido após a ejeção e  foi morto  por jihadistas no terreno, segundo a Rússia.

Uma versão que vai ao encontro das declarações desta quarta-feira do ministro russo dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, que disse acreditar que se tratou de um “ato planeado”. 

O incidente está a causar  tensão entre os dois países, com a Rússia a garantir que as relações entre as duas nações podem ser seriamente afetadas.

Em comunicado divulgado nesta quarta-feira, as forças armadas turcas dizem ter convidado os adidos militares russos ao seu quartel-general para comprovarem que o avião russo foi abatido depois de desrespeitar as regras de combate.

A Turquia garante também ter feito um grande esforço para encontrar e salvar os dois pilotos e que contactou Moscovo de imediato para expressar prontidão para "qualquer cooperação".