Um português que vive em Saint Denis, localidade dos arredores de Paris onde decorre uma operação antiterrosita relacionada com os atentados de sexta-feira, relatou à Lusa que as autoridades não permitem que as pessoas saiam de casa.

António dos Santos, de 56 anos, vive na Rua da República, em Saint Denis, e disse que não pode sair de casa para ir trabalhar porque está impedido pela polícia francesa de o fazer, uma vez que está a decorrer desde meio da madrugada naquela localidade uma operação policial para captura do alegado cabecilha dos atentados da passada sexta-feira e que já provocou dois mortos, entre eles uma mulher que se fez explodir.

"Às 03:30 da madrugada disseram que estava alguém numa casa, que havia jihadistas e fecharam toda a rua. Da janela vi muitos carros da polícia, bombeiros e muitos polícias. Depois ouvi algumas explosões e estou a ver pela televisão o que se está a passar", descreveu à Lusa o português, cerca das 07:45 em Portugal.

António dos Santos, que vive em França há 27 anos, disse à Lusa que as recomendações da polícia são "para não se aproximar da janela para ver o que se está a passar na rua".

"Estamos à espera que isto acabe porque tenho de ir trabalhar. Não podemos sair", relatou o emigrante português.


António dos Santos explicou que "há muitos polícias armados, muita gente", naquela rua de Saint Denis, que acolhe uma grande comunidade portuguesa.

Também Maria Aida Rodrigues, moradora na rua de Saint Denis onde a polícia francesa está a desenvolver uma operação antiterrorismo, descreveu à Lusa o ambiente envolvente que testemunhou a partir da janela de sua casa, que dista cerca de 15 metros do apartamento onde alegadamente vivem os jihadistas.

“Às 04:30 [menos uma em Lisboa] acordei com o barulho. Fui à janela e só vi polícia e carros de polícia e ambulâncias. Entretanto, a polícia apontou-me uma luz e disse-me para meter a cabeça para dentro porque era perigoso”, explicou a emigrante portuguesa, que vive em França há mais de 20 anos, adiantando ter visto a polícia a encaminhar “pessoas que saíram do tal apartamento”.

Maria Aida Rodrigues, de 63 anos, explicou que a artéria em que vive “é muito calma, apesar de ser uma rua de comércio”, mas que hoje "nem a padaria abriu, porque a polícia não deixou".

“Não posso sair, nem andar pela rua. Só vejo polícias, mais de uma centena, seguramente. Há polícias porta sim, porta não”, adiantou Maria Aida Rodrigues.


O presidente da Cívica, associação de autarcas de origem portuguesa em Aulnay-Sou-Bois, subúrbios de Paris, adiantou à Lusa que a comunidade lusa em Saint-Dennis, onde está a decorrer uma operação antiterrorismo, está “inquieta, mas não resignada”.

“Ainda não conseguimos falar hoje de manhã com a vasta comunidade portuguesa que reside em Saint Dennis porque nos foi pedido que tentássemos evitar as comunicações, mas dos contactos que fizemos anteriormente percebemos que estão com algum receio, como é natural”, adiantou Paulo Marques à agência Lusa, em conversa telefónica a partir de Lisboa.