operação antiterrosita





"Estamos à espera que isto acabe porque tenho de ir trabalhar. Não podemos sair", relatou o emigrante português.








“Não posso sair, nem andar pela rua. Só vejo polícias, mais de uma centena, seguramente. Há polícias porta sim, porta não”, adiantou Maria Aida Rodrigues.