A sharia ou lei islâmica entrou esta quinta-feira em vigor no sultanato da Brunei, na ilha de Bornéu, com penas que contemplam a lapidação e mutilação de membros, apesar das críticas das Nações Unidas e de grupos de direitos humanos.

O sultão do Brunei, Hasanal Bolkiah, anunciou «com absoluta fé e gratidão a Alá» a medida, que será introduzida por fases, numa cerimónia celebrada na noite de quarta-feira, segundo o diário «Brunei Times».

Hasanal Bolkiah disse que a sharia prevê a recuperação da legislação que regeu o sultanato durante séculos e que era sua «obrigação pessoal» introduzir as leis de Deus.