Uma escola de Bristol, no Reino Unido, está a ser criticada por ter proibido uma menina cega de usar bengala.

A escola primária de Hambrook alegou “razões de saúde e segurança” para explicar por que a criança não podia levar a bengala para escola.

Lily-Grace Hooper, de sete anos, sofreu um problema de saúde grave com apenas quatro dias de vida. A menina perdeu a visão 3D e ficou praticamente cega do olho direito. Do olho esquerdo só vê luzes e cores, conforme explica o Bristol Post.

A menina começou a usar a bengala em abril e a mãe revelou que a ferramenta é uma extensão do braço da filha, que assim ganha independência.

A decisão da escola foi interpretada pela mãe, Kirsty Hooper, como uma “campanha de bullying”, a que se juntou a tomada de posição de um grupo de pais, que apoiou a decisão do estabelecimento de ensino.

O caso de Lily-Grace Hooper recebeu, um parecer por parte dos técnicos de saúde e de segurança social, um parecer positivo no sentido da integração da criança e um indeferimento à decisão da escola. Mas, a mãe considerou que não há condições para a menina continuar a estudar ali.

A denúncia do caso, por parte dos órgãos de comunicação social, tem criado nas redes sociais, um movimento de indignação e defesa da menina, com muitos internautas a considerarem “vergonhosa” a posição da escola e de alguns pais.