Diversas assembleias de voto foram atacadas, incluindo com granadas, esta madrugada, no Burundi, perturbando o início da votação para controversas eleições legislativas e municipais em alguns locais do país.

Na capital, Bujumbura, e em algumas províncias, grupos armados lançaram granadas na véspera das legislativas e municipais, atrasando mesmo o arranque da votação em muitas das assembleias de voto, segundo a polícia e as autoridades eleitorais.
 

“A votação ainda não teve início em muitos dos centros da capital porque os funcionários eleitorais estão a tentar preparar os materiais que chegaram tarde a quase todas as assembleias de voto por causa dos ataques da madrugada”, disse o presidente da comissão eleitoral, Cyriaque Bucumi, à agência AFP.


Segundo as autoridades, o material e equipamentos necessários ao escrutínio não foram danificados nos ataques.

Noutros pontos as assembleias de voto já abriram, e cerca de 3,8 milhões de eleitores são chamados às urnas que abriram às 06:00 (05:00 em Lisboa).

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, apelou, na sexta-feira, ao Burundi para adiar as eleições devido ao clima político e de segurança - horas depois do anúncio da oposição burundiana de um boicote por entender não estarem reunidas condições para um escrutínio livre e justo -, mas o pedido foi rejeitado.