A Procuradoria-Geral da República brasileira pediu esta quarta-feira ao Supremo Tribunal Federal do país a investigação de 54 pessoas, entre as quais políticos, suspeitas de envolvimento num esquema de corrupção na empresa Petrobras.

Os nomes, que constam de 28 processos, ainda não foram divulgados. Jornais brasileiros indicam que entre os 54 possíveis investigados estão políticos de vários partidos brasileiros.

A imprensa brasileira noticia que o procurador Rodrigo Janot pediu o arquivamento das investigações relacionadas com sete políticos, por falta de indícios suficientes para a abertura de inquérito, e também o fim do sigilo sobre o caso.

O pedido ao Supremo Tribunal Federal é necessário porque os políticos no exercício do mandato possuem imunidade e não podem ser investigados pelo Ministério Público ou pela Polícia Federal sem a autorização da mais alta instância judicial do país.

A Polícia Federal investiga, desde março de 2014, no âmbito a Operação Lava Jato, desvios de dinheiro, pagamento de luvas, corrupção e branqueamento de capitais.

Os políticos que poderão ser investigados pertencem a diversos partidos, incluindo o Partido dos Trabalhadores (PT, de Dilma Rousseff), o Partido do Movimento Democrático Nacional (PMDB, da coligação do PT), e do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB, principal força de oposição), informaram jornais locais.

Os nomes foram obtidos em depoimentos de dois acusados que fizeram acordo com a Justiça em troca de uma possível redução de pena, o «doleiro» (cambista ilegal) Alberto Yousseff e o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa.