Uma testemunha que colabora com as investigações da polícia brasileira sobre o assassínio da vereadora Marielle Franco acusou um outro vereador e um membro de uma milícia de planearem o crime, noticiou o jornal O Globo.

Segundo o diário carioca, que teve acesso ao depoimento da testemunha, cujo nome foi mantido sob sigilo, o vereador Marcello Siciliano e o ex-polícia militar Orlando Oliveira de Araújo planearam o assassinato de Marielle Franco para conter o avanço de ações comunitárias que ela desenvolvia em áreas de interesse da milícia na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro.

O vereador Marcello Siciliano disse ao jornal que o relato da testemunha citada era uma mentira e que ele não conhecia o ex-polícia Orlando Oliveira de Araújo, já condenado e preso por chefiar uma milícia.

Marielle Franco, de 38 anos, natural da favela da Maré (Rio de Janeiro, Brasil), foi assassinada a 14 de março, com quatro tiros na cabeça, quando seguia num veículo, após participar num encontro de mulheres negras numa favela.

A vereadora da Câmara Municipal do Rio de Janeiro era militante do Partido Socialismo e Liberdade (esquerda), e foi morta juntamente com o condutor da viatura.